Líderes e chefes: Você sabe diferenciar os dois perfis?

Escrito por: Equipe de Pesquisa e Desenvolvimento Moodar

Você ainda está no passado? Descubra as características que distinguem os novos líderes inspiradores dos antigos chefes autoritários

Ok, mas antes de tudo, o que é ser uma liderança? — ou pelo menos o que se espera desse cargo

“Liderança” é um termo frequentemente usado, mas nem sempre compreendido em sua totalidade. Líderes inspiram, motivam e cultivam o potencial de seus seguidores, por isso é comum encontrarmos esse encargo em diversos ramos da sociedade: Líderes Religiosos, Líderes Políticos, Líderes Humanitários e, sobretudo, Líderes Organizacionais. 

Os melhores líderes são conhecidos por sua empatia, comunicação eficaz e habilidades de escuta ativa. Eles definem metas claras, mas também estão dispostos a apoiar os membros da equipe em suas jornadas de desenvolvimento. Um líder não tem medo de compartilhar o sucesso com sua equipe e é um modelo de integridade e ética. Além disso, eles são capazes de tomar decisões informadas e adaptar-se a desafios em constante mudança.

Tornar-se um líder eficaz exige autoconhecimento, aprendizado contínuo e prática. É crucial desenvolver habilidades interpessoais, aprimorar a comunicação e construir relacionamentos de confiança com a equipe. Um líder que valoriza a diversidade e a inclusão, promove um ambiente de trabalho positivo e encoraja a inovação está no caminho certo para inspirar e guiar uma equipe de forma exemplar. Aqui na Moodar, inclusive, você encontra ações voltadas especificamente para desenvolver lideranças, afinal, isso não é uma habilidade que se conquista do dia para a noite. Nesse sentido, nem sempre é fácil encontrar os caminhos para se tornar um bom líder, por isso é fundamental entender a diferença entre líder e chefe. 

A linha tênue entre ser líder e ser chefe

Na dança da liderança, há dois parceiros principais - o chefe autoritário e o líder inspirador. A trilha sonora que esses dois tipos de líderes seguem é tão distinta quanto o quente e o frio. Imagine-se em um ambiente de trabalho onde a equipe busca harmonia. De um lado, temos o chefe que impõe sua autoridade e busca o controle, enquanto, do outro, temos o líder que orienta, motiva e inspira. A colisão entre esses dois estilos de liderança não é apenas impactante, mas também pode trazer riscos para a segurança psicológica da organização.

Muitos de nós podem se lembrar de experiências com chefes autoritários em nossas carreiras. Esses líderes tendem a tomar decisões sem considerar as consequências para a equipe. Eles frequentemente usam seu cargo de chefia como um meio de impor sua autoridade, em vez de conquistar o respeito e a colaboração de seus colegas de trabalho. Um exemplo emblemático do cinema é Miranda Priestly (interpretada por Meryl Streep) em "O Diabo Veste Prada" (2006). No filme, a tirania da personagem incute medo e constrangimento aos funcionários, e esse estilo de liderança é um exemplo claro de como um chefe, em vez de inspirar, pode criar um ambiente tóxico e desmotivador.

 Mulher  branca de cabelo loiro e curto usa óculos, cena do filme  "O Diabo Veste Prada" (2006)
Miranda Priestly, Diabo Veste Prada (2006)

Enquanto na ficção podemos encontrar líderes problemáticos de forma muito explícita, no mundo real, a diferença entre esses dois tipos de líderes é essencial, pois muitas vezes pode passar despercebida ou mascarada. Uma chefia abusiva é uma semente fértil para o cultivo de um ambiente propício ao assédio e abuso no local de trabalho. Quando um chefe adota comportamentos autoritários, desrespeitosos ou manipuladores, isso cria um clima de medo e insegurança entre os colaboradores. Sob a pressão de um chefe abusivo, os funcionários podem se sentir desvalorizados, com sua autoestima minada e sua autoconfiança abalada. 

Esse ambiente tóxico é propício ao desenvolvimento de comportamentos prejudiciais, como assédio moral, sexual e emocional. O resultado é uma equipe dividida, uma alta taxa de rotatividade, baixa moral e produtividade prejudicada. Além disso, as ações legais decorrentes de casos de assédio e abuso podem ter custos substanciais para a empresa, incluindo litígios, danos à reputação e a perda de talentos valiosos. Portanto, é do interesse de todas as empresas promover lideranças que valorizem a integridade e o respeito, não apenas para o benefício de seus funcionários, mas também para garantir seu próprio sucesso a longo prazo.

Sendo assim, é fundamental estarmos cientes dos traços de um chefe tóxico e reconhecer a importância de promover uma liderança que respeite a singularidade de cada um. Ao evitar cair nas armadilhas de um chefe autoritário, podemos construir ambientes de trabalho mais saudáveis, produtivos e motivadores para nossas equipes. Investir no desenvolvimento das lideranças é um passo fundamental para evitar que elas se tornem chefes autoritários e tiranos. Líderes bem treinados adquirem habilidades e soft skills essenciais para esse papel, que não apenas promovem um ambiente de trabalho saudável e produtivo, mas também fortalecem o compromisso dos funcionários, aumentam a retenção de talentos e melhoram a reputação da empresa. Ao investir na formação de líderes inspiradores, as organizações estão preparando o terreno para um crescimento sustentável e uma cultura corporativa que valoriza o bem-estar de seus funcionários e a eficácia do trabalho em equipe.

No mundo da ficção, para cada personagem que representa um chefe, há líderes inspiradores que personificam as qualidades de um verdadeiro líder. Uma liderança deve ser humanizada e reconhecer o valor intrínseco de cada membro de sua equipe, refletindo a característica essencial do respeito e motivação dos seus liderados. É vital, portanto, que estejamos atentos à linha tênue em que um chefe tóxico pode se esconder, para evitar cair em suas armadilhas…

Homem branco com o notebook nas mãos

É como diz a frase: "Não se nasce líder, torna-se líder"

Para evitar cair na armadilha de ser um chefe autoritário, é fundamental praticar a empatia e a comunicação eficaz. Coloque-se no lugar de seus colaboradores, compreenda suas necessidades e preocupações. Ouça ativamente o que têm a dizer e esteja disposto a considerar diferentes perspectivas. A empatia cria um ambiente onde as pessoas se sentem valorizadas e compreendidas, fortalecendo o vínculo entre líder e equipe.

Outra característica de um líder eficaz é a capacidade de delegar responsabilidades e empoderar sua equipe. Evite a micromanipulação e dê espaço para que seus colaboradores cresçam e aprendam com seus próprios desafios. Isso não apenas promove o desenvolvimento profissional, mas também aumenta a confiança de sua equipe. Líderes inspiradores confiam em sua equipe e estão dispostos a apoiar e orientar quando necessário, permitindo que todos prosperem.

Líderes inspiradores são modelos de integridade e comprometimento. É um dever cumprir suas promessas, ser ético em suas ações e tomar decisões justas. Sua conduta ética cria um ambiente onde os valores e princípios são respeitados. Além disso, demonstrar um compromisso genuíno com os objetivos da equipe e compartilhar o sucesso. Ser transparente em suas ações e comunicar o propósito e a visão da equipe de forma clara e inspiradora. Ao fazer isso, você não apenas evita ser apenas um chefe indiferente, mas se torna uma liderança admirável que motiva e guia sua equipe com eficácia.

Não perca mais tempo: comece a pensar nas suas lideranças hoje.

Em um mundo onde o ambiente de trabalho está constantemente evoluindo, a diferença líder e chefe se torna cada vez mais crucial. Chefes podem comandar, controlar e impor, mas líderes inspiradores orientam, motivam e capacitam. Ao refletir sobre essas diferenças, fica claro que a escolha de se tornar um líder verdadeiro, que valoriza a empatia, a comunicação eficaz e a integridade, é fundamental. Um chefe tóxico pode criar um ambiente de trabalho assediador, onde a moral da equipe desmorona e a produtividade sofre. Portanto, a responsabilidade está em nossas mãos para evitar cair nas armadilhas de um chefe autoritário e, em vez disso, optar por ser uma liderança que inspira. Ao fazê-lo, contribuímos para a construção de equipes mais saudáveis, motivadas e eficazes, que prosperam em um ambiente de trabalho que valoriza o bem-estar e o crescimento de todos.

Certamente, o Departamento de RH desempenha um papel crítico na promoção de lideranças inspiradoras e na prevenção do surgimento de chefes tóxicos. Uma das funções primordiais do RH é criar programas de desenvolvimento de liderança que visam aprimorar essas habilidades nos líderes em potencial, garantindo que eles estejam bem preparados para conduzir suas equipes de maneira eficaz.

A empresa também deve estar atenta para identificar sinais precoces de comportamentos abusivos ou tóxicos na liderança existente. Isso pode envolver a implementação de canais de denúncia anônimos e a promoção de uma cultura de transparência e respeito no local de trabalho. Quando problemas surgem, o RH deve agir prontamente, investigar apropriadamente as alegações e, se necessário, implementar medidas corretivas, como treinamento adicional ou ações disciplinares. Ao fazer isso, o RH desempenha um papel essencial na criação de um ambiente de trabalho saudável, onde as lideranças inspiradoras são valorizadas e os chefes tóxicos são identificados e responsabilizados por suas ações, promovendo a prosperidade a longo prazo da empresa.

Quer desenvolver suas lideranças? Conheça as soluções da Moodar. Nossa plataforma conta com mais de 100 ações de DHO, entre elas, diversos treinamentos focados em lideranças. Somos a maior plataforma de ações ao vivo e em tempo real do Brasil. Agende uma demonstração em www.moodar.com.br 

Agende uma Demo

Outros conteúdos:

O segredo para Feedbacks construtivos

O segredo para Feedbacks construtivos

Colaboração entre times: como estimular

Colaboração entre times: como estimular

O que é Polywork? Vantagens e desafios da multiatividade profissional

O que é Polywork? Vantagens e desafios da multiatividade profissional

...