O que é escuta ativa e qual a importância na comunicação com as equipes?

Escrito por: Equipe de Pesquisa e Desenvolvimento Moodar

A comunicação é a competência mais desejada nas empresas, mas os tempos modernos revelam através da prática da escuta ativa o que é esse desafio que exige jogo de cintura por parte dos colaboradores

Escuta ativa muito além do trabalho…

A escuta ativa é uma habilidade essencial para o desenvolvimento e convívio em equipe, desempenhando um papel crucial nas interações e trocas. Trata-se de um processo pelo qual uma pessoa se concentra plenamente no que está sendo dito por outra, demonstrando empatia, compreensão e interesse genuíno. Ao praticar a escuta ativa, os profissionais podem estabelecer conexões mais profundas com os colaboradores, compreender suas necessidades e preocupações, e, assim, aprimorar o nível das relações no ambiente de trabalho.

O termo "escuta ativa" tem sua origem no campo da psicologia e ganhou destaque a partir do trabalho do renomado psicólogo Carl Rogers na década de 1950. Rogers desenvolveu a "escuta centrada no cliente" como parte de sua abordagem humanista, colocando ênfase na importância de criar um ambiente seguro e empático para que os clientes pudessem se expressar. Essa abordagem revolucionária enfatizava não apenas o "o que é escuta ativa," mas também o "como" ela pode ser uma ferramenta poderosa para a compreensão e a conexão genuína entre as pessoas. 

Desde então, o conceito de escuta ativa foi amplamente adotado em diferentes campos, incluindo o mundo corporativo, especialmente no contexto de relacionamento em equipe, como uma técnica essencial para melhorar a comunicação, o papel de mediação das lideranças e a resolução de conflitos. Aqui na Moodar, há um enfoque significativo no pilar de relacionamento interpessoal, destacando-se como um dos mais fundamentais para o desenvolvimento humano e organizacional. Na Moodar, oferecemos diversas trilhas específicas para aprimorar essa habilidade essencial.

Comunicação ainda é o elo entre pessoas

A escuta ativa é, em essência, um testemunho do poder da comunicação como elo vital entre as pessoas. Em um mundo cada vez mais conectado e dinâmico, a capacidade de ouvir e entender uns aos outros é o alicerce sobre o qual as relações pessoais e profissionais são construídas. É por meio da comunicação que trocamos ideias, expressamos nossos sentimentos e necessidades, resolvemos conflitos e tomamos decisões conjuntas.

A crescente dependência de comunicações online transformou radicalmente a maneira como interagimos uns com os outros. Embora essas ferramentas tenham ampliado nossas oportunidades de conexão, também escancararam o desafio de manter uma troca clara e fluida. As conversas por meio de mensagens de texto, e-mails e videoconferências frequentemente carecem da riqueza das pistas não verbais e da interação face a face, tornando a escuta ativa ainda mais vital. A era digital nos lembra que, embora a tecnologia possa ser uma ponte para a comunicação, é através dessa habilidade que enxergamos na escuta ativa o que é que mantém essa ponte sólida e eficaz, ajudando a superar barreiras e fortalecer conexões em um mundo cada vez mais virtual.

Como desenvolver escuta ativa 

A importância de desenvolver a escuta ativa não pode ser subestimada. É essencial compreender que a escuta ativa não é uma habilidade inata, mas sim uma competência que pode ser cultivada e aprimorada ao longo do tempo. Ao investir na melhoria desta competência, profissionais podem lidar melhor com feedbacks, criar ambientes de trabalho mais colaborativos e lidar com tensões de maneira mais construtiva. Além disso, a escuta ativa desempenha um papel fundamental na resolução de problemas e na tomada de decisões informadas. Portanto, acreditar na capacidade de desenvolver essa habilidade é o primeiro passo para colher os muitos benefícios que ela pode trazer para a vida pessoal e profissional.

Mulher branca com computador na mão ao lado texto de demonstração da Moodar

Neste artigo, vamos explorar algumas pontos relevantes sobre a escuta ativa na prática:

1. Aprenda a estar de corpo e mente presente (isso pode te ajudar a render bons frutos!)

O alicerce da escuta ativa envolve a capacidade de focar totalmente no momento presente, eliminando distrações e preocupações secundárias. Ao se engajar em uma conversa, é crucial direcionar toda a sua atenção para a pessoa que está falando. Desligue dispositivos eletrônicos, olhe nos olhos do interlocutor e demonstre que você está ali, inteiramente disponível para ouvir. Este aspecto da escuta ativa é frequentemente negligenciado, mas é fundamental para estabelecer uma conexão autêntica com o falante. Quando você está verdadeiramente presente, cria um espaço seguro e acolhedor para que a outra pessoa se expresse sem reservas. Isso não só facilita a comunicação, mas também transmite respeito e consideração.

Considere, por exemplo, uma situação comum no ambiente de trabalho: receber um feedback ou um "toque" de um colega. Olhar constantemente para o relógio (em encontros presenciais) ou ficar distraído navegando por abas (em reuniões virtuais) durante a conversa pode enviar sinais negativos. Essas atitudes indicam que você não está genuinamente concentrado ou, pior, que o momento não é considerado importante. Nesse contexto, a escuta ativa desempenha um papel crucial, permitindo-lhe envolver-se completamente nesses encontros e tirar o máximo proveito das valiosas trocas que podem ocorrer. Ela ajuda a construir conexões mais significativas e a demonstrar que valoriza a interação, independentemente de seu formato.

Estar presente também significa ouvir não apenas as palavras, mas também as nuances da linguagem não verbal, como expressões faciais, gestos e tom de voz. Esses sinais complementam as palavras e podem fornecer insights valiosos sobre as emoções e intenções do falante. 

2. Fazer perguntas abertas (por que deixar a conversa acabar se você pode demonstrar seu interesse genuíno hoje?)

Outra etapa fundamental para aprimorar a escuta ativa envolve a habilidade de formular perguntas que incentivem a outra pessoa a expandir e compartilhar seus pensamentos e sentimentos. Perguntas abertas são aquelas que não podem ser respondidas com um simples "sim" ou "não" e, em vez disso, exigem uma resposta mais elaborada. Isso promove uma conversa mais rica e aprofundada.

O uso de perguntas abertas demonstra interesse genuíno na perspectiva do interlocutor e encoraja a expressão completa de suas ideias. Isso não apenas ajuda a obter informações mais detalhadas, mas também cria um espaço seguro para que a outra pessoa se sinta ouvida e valorizada. Perguntas como "Como você se sente em relação a isso?" ou "Pode me contar mais sobre sua experiência?" são exemplos de perguntas abertas que incentivam a exploração de pensamentos e emoções.

Por outro lado, quando falhamos em manter o fluxo de uma conversa, restringindo o diálogo a perguntas fechadas e diretas, estamos perdendo a oportunidade de enriquecer essa interação. Isso frequentemente resulta em momentos de “silêncio desconfortável”, algo amplamente evitado no ambiente de trabalho.

Cena do filme pulp fiction que fala sobre silêncios constrangedores
Pulp Fiction, 1995

Por isso, as perguntas abertas são uma ferramenta valiosa para aprofundar o entendimento e a resolução de problemas. Elas permitem que você explore os desafios, preocupações e objetivos do outro de maneira mais abrangente, contribuindo para uma comunicação mais eficaz e uma solução mais eficiente de questões complexas.

No entanto, é importante equilibrar o uso de perguntas abertas com a escuta atenta. Fazer muitas perguntas em sequência pode parecer invasivo ou inquisitivo. Portanto, é essencial encontrar um equilíbrio entre fazer perguntas para aprofundar a conversa e permitir que a outra pessoa fale de forma natural. No geral, a habilidade de fazer perguntas abertas é uma ferramenta poderosa que fortalece a escuta ativa, o que é um reflexo da qualidade das interações interpessoais.

No contexto da indústria, uma prática muito utilizada e que ajuda a criar um ambiente seguro onde todas as questões levantadas sejam valorizadas, é o DDS, essas reuniões podem ser transformadas em momentos altamente eficazes de comunicação e aprendizado, reforçando a cultura de segurança e a escuta ativa de todos os colaboradores da empresa. 

Quer saber mais como gerenciar seus DDS e promover a escuta ativa na sua indústria? Conheça a Mindus, a nova plataforma da Moodar que conta com uma variedade de temas que dão o apoio necessário na gestão de DDS e na promoção da segurança psicológica das indústrias. Saiba mais em: www.mindus.com.br.

3. Pra finalizar, podemos resumir o que foi dito (nada mais atencioso do que reforçar que você entendeu a conversa, né?)

Por fim, outro passo essencial no processo de escuta ativa é a habilidade de recapitular o que foi dito para garantir que você compreendeu corretamente e proporcionar à outra pessoa a oportunidade de esclarecer ou aprofundar seus pontos de vista. Essa etapa é especialmente valiosa em conversas complexas ou emocionalmente carregadas, onde a clareza e a precisão são essenciais.

Ao resumir o que foi dito, você demonstra que está atento e comprometido com a conversa. Isso pode ser tão simples quanto dizer: "Deixe-me resumir o que você compartilhou até agora..." ou "Para garantir que estou entendendo corretamente, você disse que...". Isso não apenas ajuda a evitar mal-entendidos, mas também permite que a outra pessoa se sinta acolhida.

Além disso, ao confirmar, você está dando à outra pessoa a chance de concordar ou discordar com seu resumo. Isso encoraja uma comunicação aberta e honesta, pois permite que a pessoa ajuste ou esclareça seus pontos de vista, se necessário. Em muitos casos, isso pode revelar insights valiosos e contribuir para uma conversa mais produtiva.

Essa etapa é particularmente valiosa em contextos de resolução de problemas, onde a compreensão das questões em jogo é fundamental. Isso ajuda a garantir que todos estejam na mesma página, evitando mal-entendidos e conflitos desnecessários.

Portanto, inteligência emocional é sobre emoções…

Sendo assim, a escuta ativa é um recurso de valor inestimável que pode transformar a dinâmica da rotina de trabalho. Ela não apenas fortalece a qualidade das interações e relacionamentos no ambiente profissional, mas também contribui para a resolução eficaz de problemas, a criação de equipes mais coesas e um clima organizacional mais saudável. Ao dedicarmos tempo e esforço para desenvolver essa habilidade, abrimos as portas para uma comunicação mais eficaz e empática, superando obstáculos comuns, como mal-entendidos e conflitos. A escuta ativa não apenas melhora nossa capacidade de colaborar e liderar, mas também demonstra respeito e consideração pelos colegas e colaboradores. Em última análise, é uma ferramenta que promove a excelência profissional, contribuindo para ambientes de trabalho mais produtivos, harmoniosos e gratificantes. Então, o que você ainda está esperando para desenvolver essa skill no seu time?

Agende uma Demo

Outros conteúdos:

Como fazer uma boa pesquisa de clima na sua empresa

Como fazer uma boa pesquisa de clima na sua empresa

Autonomia: A chave para a inovação e o engajamento no trabalho

Autonomia: A chave para a inovação e o engajamento no trabalho

Como reter talentos

03 Dicas para a Retenção de Talentos na sua Organização

...